Buscar
  • Johnatan Machado

Qual a diferença entre posse e propriedade? Saiba agora!



Existe uma grande dificuldade entre as pessoas, até mesmo daquelas que fazem parte do mundo jurídico de diferenciar a posse da propriedade. Sendo assim, vamos entender juntos a diferença entre POSSE e PROPRIEDADE.


POSSE:


Tanto o Código Civil de 1916 como o atual utilizaram-se da Teoria de Ihering para conceituar possuidor.


Segundo Ihering a posse decorria como simples consequência do exercício de propriedade, ou seja, a posse é a exteriorização da conduta de quem procede normalmente como dono.

Vejamos o que diz o artigo 1.196 do Código Civil:


Art. 1.196. Considera-se possuidor todo aquele que tem de fato o exercício, pleno ou não, de alguns dos poderes inerentes à propriedade.

(Grifo nosso)


Não obstante, possuidor é aquele que tem o pleno exercício de fato dos poderes constitutivos de propriedade ou somente alguns deles. Portanto, todo aquele que ocupa o bem é, presumidamente seu possuidor.


CLASSIFICAÇÃO DA POSSE:


A posse é um instituto que se classifica pelos seus vícios, podendo ser considerada como objetivos (justa ou injusta) ou subjetivos (boa-fé ou má-fé).


Quanto aos vícios objetivos, considera-se posse justa quando não for adquirida pela violência, clandestinidade ou precariedade, conforme art. 1.200 do CC. Já a posse injusta é aquela adquirida por meio violento, clandestino ou precário, conforme art. 1.200 do CC.


Posse violenta é aquela adquiria por meio de agressão de quem antes era possuidor do bem. Posse clandestina é aquela adquirida às escondidas, sem que o antigo possuidor tenha ciência de tal ato. E, por fim, a posse precária é aquela em que o possuidor já deveria ter devolvido, mas permanece com o bem sem a devida autorização, impedido o antigo possuidor de tomar novamente a posse do respectivo bem.


Quanto aos vícios subjetivos, considera-se boa-fé quando o adquirente não souber dos vícios no ato da aquisição, ou seja, o sujeito ignora os vícios, estando convencido do seu direito de posse. Já a má-fé, conforme o art. 1.201do CC. é aquela aquisição onde o adquirente mesmo tendo ciência dos vícios resolve os ignorar para ter a posse.


PROPRIEDADE:


Considera-se propriedade o direito que o sujeito possui de usar, gozar dispor e reivindicar um bem, conforme o art. 1.228 do CC.


Vejamos o que diz o art. 1. 228 do Código Civil:


Art. 1.228. O proprietário tem a faculdade de usar, gozar e dispor da coisa, e o direito de reavê-la do poder de quem quer que injustamente a possua ou detenha.

(Grifo Nosso)


A Propriedade é considerada uma garantia fundamental, conforme a Constituição Federal em seu art. XXII, XXIII que assegura à todos o direito o direito à Propriedade, que está ligada diretamente a sua Função Social, ou seja, devemos observar um em harmonia com o outro.


Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito á vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes.


(...)


XXII - é garantido o direito de propriedade;

XXIII – a propriedade atenderá a sua função social;

(Grifo nosso)


A fim de entendermos melhor o conceito de propriedade, vamos analisar cada uma das faculdades inerentes à propriedade:


Usar (jus utendi): traduz a possibilidade do proprietário de se servir das coisa e tê-la à disposição, ou seja, é o direito de usar a coisa como se sua fosse.


Gozar (juz fruendi): é o direito que o proprietário possui de utilizar os frutos e produtos da coisa, podendo explorá-los economicamente.


Dispor (jus disponendi): é a faculdade do proprietário alterar a coisa, como alienar, penhorar, hipotecar, etc.


Tal alteração pode ocorrer por meio de atos jurídicos ou de atos materiais.


Os atos jurídicos são aqueles feitos por meio de alienação, ao passo que nos atos materiais são aqueles ocorridos por abandono ou destruição da coisa.


Reivindicar (jus persequendi): é a possibilidade do proprietário reaver a posse da coisa de quem injustamente a detenha.


CONCLUSÃO:


Com o presente artigo, fica mais clara a diferença entre POSSE e PROPRIEDADE.

Espero ajudar com o estudo feito.


Me sigam no Instagram e acompanhem mais de perto a minha rotina e as minhas dicas:

@johnatancmachado


Jusbrasil: https://contatoparadajuridica.jusbrasil.com.br/


REFERÊNCIAS:


OAB 1ª Fase Esquematizado Volume Único - 3ª Edição – Coordenador Pedro Lenza

http://vetustup.com/cadernos-compartilhados-7/

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo